Share Button

MG_1934_1_por-Alessandra-Fratus

O primeiro oboé da Osesp, Arcádio Minczuk, está completando 30 anos de carreira na orquestra. Ele começou como assistente de primeiro oboé, uma semana antes de completar 17 anos. É o quinto músico mais antigo da orquestra atual (perde para o trompetista Gilberto Siqueira, a timpanista Elizabeth Del Grande, o trompista Ozéas Arantes e a violinista Lea Sadi). O músico será homenageado pela Osesp com a interpretação do Concertino Para Oboé e Cordas, de Brenno Blauth, com solos de Arcádio. Roberto Minczuk, irmão do oboísta, regerá as apresentações. O programa contará ainda com o O Anel sem Palavras, de Richard Wagner, com arranjo de Lorin Maazel. As apresentações ainda vão render um CD, que será distribuído gratuitamente ao público. O Blog do Curiocidade conversou com Arcádio:

Nesses 30 anos, quais foram o melhor e o pior momentos vividos na Osesp?
O pior foi ver a decadência da orquestra entre 1990 e 1996. Não tínhamos espaço, ensaiávamos em restaurantes. Não tinha sequer cadeira para todos. Os músicos bons saíam. Os que ficavam não eram disciplinados. Fomos abandonados pelo governo. Senti vontade de largar tudo, tive oportunidade de ir para outras orquestras. Mas eu sempre fui briguento, meio revolucionário. Resolvi usar meus ideais da juventude e valeu a pena. A Osesp passou por uma grande reestruturação. E esse foi o melhor momento – quando a orquestra tocou na inauguração da Sala São Paulo. Foi uma felicidade enorme. Hoje, a gente tem uma estrutura incrível e uma ótima programação. O cenário da música clássica no país inteiro mudou por causa da Osesp. Tenho bastante orgulho disso.

Os músicos novatos o tratam de forma diferente por você estar há tanto tempo na orquestra?
Além de ser um dos mais velhos, eu sou o primeiro oboé. É um cargo de chefia, por isso a posição de liderança é natural. Sem dúvida, existe um pouco de respeito por causa da idade e do cargo que ocupo. Mas também porque fui líder dos músicos na época da reestruturação da Osesp, em 1996. Eu representava todos eles.

Arcádio-Minczuk-por-Alessandra-Fratus


Você começou a tocar oboé aos 11 anos. Antes tocava bombardino. Foi seu pai quem o obrigou a trocar de instrumento. Em entrevistas anteriores, você disse que demorou três anos para começar a gostar do oboé. Está bravo com seu pai ainda hoje?

O oboé foi uma escolha do meu pai. E uma escolha muito boa. Naquela época era muito difícil, eu não tinha acesso a bons instrumentos. Mas o oboé, depois que você consegue dominá-lo, é muito bonito, tem um som incrível. Não é à toa que muitos compositores o escolhem como protagonista. Ele é solista em praticamente todas as obras sinfônicas. Hoje, não tenho mais tempo para o bombardino. Realmente meu pai tinha uma visão de futuro bem melhor que a minha.

O regente será Roberto Minczuk, seu irmão. Há outros familiares na orquestra?
O Roberto foi regente da Osesp entre 1997 e 2005. Hoje, ele é da OSB (Orquestra Sinfônica Brasileira) e da Orquestra Filarmônica de Calgary. Tenho mais dois irmãos na Osesp. A Cristiane, que é coralista, e o Eduardo, trompista. De todos, eu sou o mais velho. Mas temos que seguir o protocolo. Na hora dos ensaios, por exemplo, tenho que tratá-lo como senhor.

Serviço:
Concertino Para Oboé e Cordas, de Brenno Blauth, e O Anel sem Palavras, de Wagner.
R$ 15 – 28, 29 e 30 de julho
Sala São Paulo: Praça Julio Prestes, 16; (11) 3223 3966

(Com colaboração de Karina Trevizan e fotos de Alessandra Fratus)

Share Button